sábado, 11 de outubro de 2008

Educação e fascínio da fama


Olá para todos! Semana que vem se comemora um dos meus dias (dia 15 de outubro, dia do professor).
Hoje eu coloco um texto muito interesse do escritor Frei Betto (foto acima). O texto puxa para o lado da educação. Tudo é um conjunto: pais, professores e sociedade para educar crianças e adolescentes. Pais devem orientar seus filhos em tudo: drogas, sexualidade, comportamento, etc. Não são filmes alugados em finais de semana e nem comportamentos estereotipados de novelas e seriados que cuidarão de seus filhos. Muitas imprudências poderiam ser evitadas se os pais modernos ao menos parassem um pouco para conversar com os filhos. E professor não faz papel de pai ou mãe; ele educa para vida quanto àquilo que lhe é designado (português, matemática, história...). Há muita confusão aí. Por isso que a sociedade é tão confusa. EDUCAÇÃO PARA TODOS!


EDUCAÇÃO E FASCÍNIO DA FAMA

Revestir uma pessoa de fama precoce é correr o risco de destruí-la. Nem para os adultos é fácil lidar com perdas. Todos nós construímos uma auto-imagem, adornada por funções, posses, talentos e relações familiares e sociais. Basta um desses aspectos ficar arranhado para irromper a insegurança.

Por isso o desemprego, que aumenta com as políticas neoliberais, é tão humilhante. Perdem-se a identidade social, a qualidade de vida, a segurança quanto à sobrevivência da família. Já reparou quando o apresentam a uma pessoa? Não é suficiente saber-lhe o nome. Há curiosidade em conhecer o que ela faz, em que trabalha (Diz a piada que, em São Paulo, pergunta-se em que a pessoa trabalha para saber quanto ganha. Em Minhas, qual o sobrenome para saber se é de boa família. E, no Rio, o melhor é não perguntar nada para não dar confusão).

A falta de emprego é como o chão que se abre sob os pés. Entra-se em depressão. Porque emprego significa salário que, por sua vez, representa a possibilidade de aluguel, alimentação, saúde, educação, etc.

Há pais que nutrem nos filhos falsos ideais: destacar-se como modelo numa passarela, tornar-se desportista de projeção, alcançar a fama como atriz ou ator. O sonho congela-se em ambição e a criança passa a dar-se uma importância ilusória. Ainda que alcance dois minutos de fama, como dizia Andy Warhowl, os tempos de vazio na platéia são infinitamente maiores que os momentos de aplausos.

O adolescente mergulha no estresse de corresponder à expectativa. Tem de provar a si e aos outros que é capaz, o melhor ou a mais charmosa e inteligente. Passa então a viver, não em função dos valores que possui, mas do olhar do outro. Convencido de que é supremo – e incapaz de enfrentar o desmoronamento de seu castelo de areia – ele recorre ao sonho químico, à viagem onírica, ao embalo das drogas.

A família, perplexa, se pergunta: como foi possível? Logo ele, tão inteligente! Foi possível porque a família confundiu brilhantismo com segurança. Considerou-o um adulto precoce. Exigiu vôo de quem ainda não tinha asas crescidas. Deixou de dar-lhe atenção, colo, carinho. Os diálogos em casa passaram à instância de mera funcionalidade: mesada, compras, viagens, problemas escolares, pequenas exigências da administração do cotidiano.

A construção da personalidade é um jogo de relações e comparações, arte mimética de abraçar como modelo aquele que merece a nossa admiração. Hoje, as figuras paradigmáticas não se destacam pelo altruísmo dos ícones religiosos (Jesus, Maria, José, Francisco de Assis, etc.) ou de personalidades como Gandhi, Luther King, Che Guevara e Teresa de Calcutá. A estética do consumo rejeita a ética dos valores.

Famílias e escolas deveriam educar os alunos para lidar com perdas. Afinal, morrem não só pessoas, mas também sonhos, projetos, possibilidades. A mídia deveria dar destaque a pessoas altruístas. Contudo, como esperar que se enfatiza a solidariedade num mundo regido pela competitividade? Como falar de modéstia em tempos de exibicionismo? Como valorizar a partilha se tudo gira em torno da lógica da acumulação?

As drogas não se transformaram na peste do século só por culpa do narcotráfico. Elas são uma quimérica tábua de salvação nessa sociedade que relativiza todos os valores e carnavaliza até a tragédia humana. Não se culpe, indagando onde você errou, como professor ou pai. Pergunte-se pelos valores da sociedade em que vive. E o que faz para muda-los.


(Frei Betto - Escritor, autor de "A obra do artista - uma visão holística do universo [Ática], entre outros livros)

*Um dos primeiros textos que li na faculdade.
**Novo contador de visitas! Some o número ao lado com mais de 600 visitas computadas pelo antigo contador!

2 comentários:

Anjo do Destino disse...

Amigo...assim...não tem o que comentar...é brilhante o texto...quem dera a todos nós ler isso, e assimilar o que está escrito, pq sintetizou de forma objetiva e incontestável o que realmente ocorre nos dias de hoje...não há o que argumentar...Tá de parabéns!!!!!!um grande abraço!!

Stephanie Sarmiento disse...

Olá,

Estou entrando em contato novamente para me colocar à disposição para esclarecimento de dúvidas referente ao e-mail que enviei no dia 30/09/08, tratando da Parceria Comercial entre o Poemas, opiniões e et cetera com a HOTWords.

Qualquer dúvida ou maiores informações, por favor, entre em contato comigo.

Abraços,
Stephanie Sarmiento
------------------------------
smarques@hotwords.com.br
www.hotwords.com.br
------------------------------
Phone: 11 3178 2514